A food lover in paradise
30 de Outubro de 2017.
Consultas que começam atrás do ecrã
30 de Outubro de 2017.
O meu EVS em Balchik, uma pequena cidade Búlgara banhada pelo Mar Negro, foi uma das experiências mais enriquecedoras que tive a sorte de ter.

Mal soube da oportunidade decidi logo inscrever-me, visto o projeto ter como intuito a organização de um festival de cinema, a área que estudei, e que por isso me interessa bastante. Foi uma oportunidade perfeita porque me permitiu ver como funciona realmente um festival, e ser uma parte ativa na sua realização.

Para além de me permitir ter este contacto direto com a área, permitiu-me ter uma experiência totalmente diferente durante um mês, ao viver com pessoas de diferentes países e culturas, e partilhar o meu espaço e tempo com elas muito intensamente. Diria que esta foi a parte mais enriquecedora do projeto. Ter a oportunidade de observar como pessoas tão diferentes funcionam quando têm de estar constantemente em contacto umas com as outras, e aprender com elas.

A cidade onde estávamos foi muito acolhedora. Era muito pequena, e é frequentada principalmente por turistas, e por isso, acabei por me sentir quase como se fizesse parte daquele ambiente, sendo que via todos os dias as mesmas pessoas, como os vendedores das lojas de souvenirs, ou funcionários de cafés, que ao fim do mês de voluntariado até já sabiam o nosso nome.

O trabalho no festival em si, também foi interessante. A mim coube fazer parte da “Guest-team”. Algumas das minhas funções eram saber os horários e dias de chegada dos convidados oficiais, como Dj’s, Júris e Representantes dos filmes em competição, recebê-los, ajudá-los no check-in, e mantê-los informados sobre as sessões, e em quais deveriam estar presentes. Também devia estar disponível para ajudá-los no que precisassem. Foi uma experiência gratificante, visto que me permitiu estar em contacto com pessoas muito interessantes, que me transmitiram conhecimentos na área. Também tive oportunidade de falar com realizadores dos filmes que passaram no festival e ficar a saber um pouco mais sobre as suas motivações e o processo de feitura dos filmes, coisa que se calhar não teria tido oportunidade de fazer se não estivesse a lidar diretamente com eles durante o festival.

O local onde ele aconteceu também era fantástico. Era um palácio, com jardins lindíssimos, uma cascata, e mil e um recantos por descobrir. Tinha tudo para ser perfeito e estar sempre cheio de público, mas visto a maior parte das pessoas que estavam em Balchik serem turistas de passagem, optavam por não se confinar a uma sala escura numa tarde de Verão, o que é totalmente compreensível. Esta foi talvez a parte mais frustrante de trabalhar para o festival, ver que estávamos a organizar uma coisa e que a afluência de pessoas não era tanta como a desejada.

O evento aconteceu nas últimas semanas do EVS, e por isso pudemos aproveitar os dias de férias que a organização nos deu para ir viajar. Toda a gente fez planos diferentes, e eu acabei por juntar-me com 5 espanhóis e um Italiano. Alugámos um carro, e explorámos a Bulgária e a Roménia ao longo de 10 dias. Foi uma experiência maravilhosa, ir de cidade a cidade e conhecer o melhor de cada uma. Também tivemos experiências “interessantes”, como perdermo-nos, reservar um hostel que não encontrávamos, e quando finalmente demos com ele, parecer tirado de um filme de terror, termos discussões sobre a que cidades ir, e o que comer. Visto sermos todos diferentes teve de haver compromissos de forma a que todos pudessem ficar minimamente satisfeitos, mas tudo isto contribuiu para que ficássemos com histórias de que provavelmente nunca mais nos vamos esquecer e que vamos relembrar mais tarde com muita saudade.

A experiência não podia ter sido melhor. Fiz amigos incríveis que pretendo ir visitar ainda este ano, conheci um lugar novo e trabalhei numa área que gosto. Vou sem dúvida lembrar-me desta experiência de Voluntariado e de tudo o que me trouxe para o resto da minha vida.

Carolina Pinto, voluntária madeirense em Balchik, Bulgária.

Sobre o programa Erasmus+

O Erasmus+ é um programa da Comissão Europeia que abraça os campos da educação, da formação, da juventude e do desporto durante o quadro europeu 2014-2020. Uma das grandes vertentes dessa acção é a cooperação nas suas áreas de actuação, contribuindo para uma Europa plural e rica.

Entre os vários objectivos do programa, constituem as prioridades: os objectivos presentes na Estratégia Europa 2020, incluindo o grande objectivo em matéria de educação; os objectivos do Quadro Estratégico para a cooperação europeia no domínio da educação e da formação 2020 (EF 2020), incluindo os correspondentes critérios de referência; o desenvolvimento sustentável de Países Parceiros no domínio do ensino superior; os objectivos gerais do “Quadro renovado da cooperação europeia no sector da juventude” (2010-2018); o objectivo de desenvolvimento da dimensão europeia no desporto, em particular no desporto de base, em consonância com o plano de trabalho da UE para o desporto; a promoção dos valores europeus, nos termos do artigo 2.º do Tratado da União Europeia.

Para que esses objectivos possam ser alcançados, o Erasmus + materializa-se em várias políticas de acção. A acção 1 (KA1), diz respeito a mobilidade de indivíduos, a acção 2 (KA2) relaciona-se com a cooperação para a inovação e a troca de boas práticas e a acção 3 (KA3) refere-se ao apoio às políticas de reforma.

Sobre o Serviço Voluntário Europeu

Desde 1991 a Associação Académica tem desenvolvido uma ampla política de incentivo ao voluntariado. Em 2013, para ampliar a sua acção nesse campo, iniciámos a nossa acreditação enquanto entidade que recebe, envia e coordena projectos Erasmus +, no Serviço Voluntário Europeu, tendo recebido o primeiro voluntário, no âmbito de um projecto da KA1, em 2014. Temos desenvolvido um grande trabalho para que os jovens madeirenses possam participar em várias iniciativas na Europa, e temos proposto vários projectos para permitir que os jovens de vários países possam trabalhar nos projectos da Associação Académica da Universidade da Madeira, sempre considerando que o principal objectivo de voluntariado é beneficiar as comunidades e localidades onde desenvolverão as suas actividades, através do seu trabalho voluntário e sem qualquer remuneração financeira. Acreditamos que o Serviço Voluntário Europeu é uma ferramenta rica em vivências e experiências, onde todos os candidatos aprovados terão o privilégio de participar nesses projectos, podendo beneficiar as localidades e comunidades onde estão inseridos.

A Associação Académica da Universidade da Madeira tem recebido, desde 2013, vários voluntários que têm colaborado em diversas actividades e iniciativas. Além de poderem desfrutar de uma fantástica experiência que irá contribuir para o seu crescimento a nível pessoal e profissional, têm a oportunidade de interagir com os vários voluntários da Universidade da Madeira e contribuir, de forma única, para o desenvolvimento da comunidade em que estão inseridos.