Aplicação para pessoas cegas
14 de Julho de 2017.
1500 Bolsas de Doutoramento
19 de Julho de 2017.
Mostrar Tudo

Google apoia trabalhos académicos

Empresa financiou 329 estudos na longo da última década. Muitos são favoráveis ao Google em temas como privacidade, publicidade e segurança de dados.

O Google investe milhões todos os anos no financiamento de estudos académicos nos Estados Unidos e na Europa, mas agora é acusado de utilizá-los para influenciar a opinião pública e política a seu favor.

Desde 2005 que o Google financiou 329 estudos em inglês – na área de políticas públicas como a privacidade, direitos de autor, segurança de dados e a monetização de publicidade online – que abordam mudanças nas leis extremamente prejudiciais à empresa. Mais de metade dos trabalhos (54%) receberam financiamento directo da empresa.

A informação foi revelada esta terça-feira no Google Transparecy Project, um projecto da associação de defesa dos consumidores Campaign for Accountability com sede em Washington, EUA. Nos últimos 12 anos, o apoio do Google aos académicos terá variado entre os 5000 e os 400 mil dólares (entre 4300 e 350 mil euros, ao câmbio actual).

“O Google está a utilizar a sua enorme riqueza e poder para tentar influenciar decisores políticos a todos os níveis. No mínimo, os reguladores deveriam estar conscientes de que o trabalho alegadamente independente de que dependem vem, afinal, do Google”, disse o director executivo, Daniel Stevens, na apresentação do relatório.

De acordo com os autores, o Google começou a financiar uma “avalanche de estudos científicos” sobre matérias antimonopólio, em 2011, altura em que as autoridades americanas começaram a examinar as práticas da empresa.

A empresa defende-se. “O relatório é altamente enganador”, diz Leslie Miller, a directora de assuntos públicos do Google, num comunicado de resposta. “Por exemplo, atribui-nos trabalho que foi apoiado por organizações de que fazemos parte, ou a quem já doámos dinheiro.”

Miller devolve à associação de defesa dos consumidores a acusação de falta de transparência: “A ironia de discutir estes temas com a Campaign for Accountability é que o grupo se recusa consistentemente a divulgar os seus próprios financiadores.”

O director da associação diz que a resposta do Google é uma tentativa de desviar a atenção do problema. “Quando o mau comportamento do Google é exposto, a empresa aponta sistematicamente o dedo para outra pessoa. Em vez de desviar a culpa, o Google deve abordar o seu historial de financiamento académico, que o põe ao mesmo nível que a indústria petrolífera e a do tabaco”, sustenta Daniel Stevens.

Embora a investigação se foque em trabalhos escritos em inglês, Stevens diz ao PÚBLICO que acredita que também existam “arranjos do género para trabalhos publicados noutras línguas”. É uma área que vão começar a explorar.

A base de dados utilizada pelo Google Transparecy Project foi publicada para consulta juntamente com o relatório. Começou a ser criada a partir da pesquisa de trabalhos de académicos que receberam prémios e apoios do Google. Os resultados foram filtrados para mostrar estudos posteriores à recepção dos prémios. Alguns dos trabalhos, apesar de falarem favoravelmente do Google, não admitem uma conexão com a empresa. Por exemplo, ao pesquisar o termo “privacidade” encontra-se um estudo sobre como os jornalistas e os consumidores deviam alterar a perspectiva que têm da privacidade do Google. O financiamento foi apenas revelado num email do autor ao Google Transparecy Project.

O Google, porém, continua a defender a independência dos estudos. “As instituições e investigadores que financiamos publicam trabalhos com que discordamos com frequência”, escreve Miller. Dá o exemplo de um texto de opinião que Geoffrey A. Manne, um investigador de economia em Portland, EUA, escreveu para a revista Wired, em 2015, no qual se opõe à neutralidade da Internet (a neutralidade impede os fornecedores de Internet de definirem prioridades de distribuição de dados).

Miller admite que o Google apoia muitos programas de investigação, mas diz que se destinam a “ajudar instituições públicas e privadas a realizarem investigação em tópicos importantes” e que a empresa tem orgulho em “manter relações tão fortes com académicos, universidades e instituições de pesquisa”.

A Campaign for Accountability mantém, contudo, a sua tese e acusa o Google de criar um “universo de citações pagas que ajudam aos seus interesses”, porque permite que os trabalhos financiados se citem com frequência e criem a ideia de que existe uma grande quantidade de trabalho académico que apoia as políticas do Google. “Por detrás de cena, o Google exerce uma influência cada vez mais prejudicial na investigação académica”, concluem os responsáveis pelo projecto.

Notícia do Público de 13/07/2017.