Desenhar e escrever à mão num ecrã
23 de Maio de 2017.
Evitar as recaídas do passado
24 de Maio de 2017.
Mostrar Tudo

Centenas de denúncias por dia

Associação recomenda aos consumidores que reclamem junto da entidade cobradora.

A Deco revelou esta terça-feira que todos os dias recebe centenas de denúncias de casos de cobranças de dívidas prescritas. A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor aconselhou os consumidores a invocar por escrito a prescrição junto da entidade prestadora do serviço.

Em declarações à Lusa, Ingrid Pereira, jurista do gabinete de apoio ao consumidor da Deco, explicou que o consumidor deve estar informado para poder invocar a prescrição da dívida antes de a pagar, um prazo que no caso dos serviços públicos essenciais — água, luz, telecomunicações e gás — é de seis meses.

“Temos recebido muitas denúncias e reclamações de consumidores pelo facto de estarem a ser cobradas dívidas relativamente a serviços públicos essenciais com antiguidade superior a seis meses. O conselho que damos é que o consumidor deve invocar por escrito a prescrição, junto da entidade prestadora do serviço, pedindo a anulação do valor”, explicou.

A jurista da Deco sublinhou ainda que a carta, com aviso de recepção, a invocar a prescrição deve ser enviada pelo titular do contrato para a entidade prestadora de serviço antes de ser feito qualquer pagamento.

“Por vezes as pessoas contactam-nos mas já pagaram a dívida. Se ela for paga é como que um assumir do valor e, logo, não pode o consumidor invocar depois a prescrição”, acrescentou.

A especialista sublinhou ainda que, no caso das taxas moderadoras aos serviços públicos de saúde, o prazo é de três anos e, nos serviços de saúde prestados pelos hospitais privados a prescrição ocorre dois anos depois do serviço prestado.

“As empresas podem fazer essa cobrança, mas não estão a cobrar de forma atempada. O consumidor é que tem de invocar a prescrição para poder beneficiar dela e solicitar a anulação dos valores”, disse.

Noticia do Publico de 23/05/2017