Xiaomi Mi 12 com design futurista
14 de Junho de 2021.
5.º oceano da Terra confirmado
21 de Junho de 2021.
Mostrar Tudo

Imprimir têxteis eletrónicos

Cientistas da Universidade da Carolina do Norte demonstraram que é possível imprimir camadas de tecido com capacidades condutivas com recurso a uma impressora de jato de tinta, a operar à temperatura ambiente

Um grupo de trabalho da Universidade da Carolina do Norte publicou um estudo no ACS Applied Materials & Interfaces onde demonstra ter conseguido usar um método de impressão a jato para criar camadas de tinta com capacidade de condução de eletricidade e que pode abrir caminho aos dispositivos wearable do futuro. A vantagem desta abordagem é que a impressora pode estar a operar à temperatura ambiente e em condições atmosféricas normais, sem requerer qualquer tipo de instalação especializada. Outra vantagem é que o estudo mostra que as técnicas já usadas na indústria da eletrónica flexíveis podem ser usadas para criar tecidos com estas propriedades.

A equipa usou uma impressora Fujifilm Dimatix para criar um material durável e flexível. O desafio foi encontrar a composição correta da tinta para que não fosse absorvida pela porosidade do têxtil, mantendo as suas capacidades de condução de eletricidade, explica o EurekAlert.

Jesse S. Jur, professor de Engenharia Têxtil naquela universidade, explica que a impressão a jato de tinta já é usada na eletrónica flexível, como na produção de ecrãs de smartphone por exemplo, e que estas técnicas e materiais podem ser aplicados na produção de e-têxteis para os dispositivos wearable do futuro. “Quisemos construir uma estrutura camada a camada, algo que ainda não tinha sido conseguido com a impressão a jato de tinta. Foi um grande desafio encontrar a composição correta”, complementa Inhwan Kim, estudante da universidade e que assina o estudo.

A técnica passa pela impressão de camadas de tinta prateada, entre duas camadas de materiais líquidos que serviram de isolador. Todo o conjunto foi aplicado num tecido de poliéster e monitorizado depois através de um microscópio. A equipa concluiu que as propriedades químicas dos materiais escolhidos são importantes para manter a capacidade da tinta em conduzir as cargas elétricas. O material produzido foi dobrado múltiplas vezes e manteve as suas propriedades condutivas.

“Quisemos uma camada isoladora robusta no meio, mas quisemos mantê-la o mais fina possível, com a maior performance elétrica possível. Além disso, se os tecidos forem demasiado grossos, as pessoas não os irão usar”, explica Kim.

Os cientistas pretendem agora criar um e-têxtil que possa ser usado para criar um aparelho biomédico que monitorize o batimento cardíaco ou que sirva de bateria para dispositivos eletrónicos.

Clique aqui para ler a notícia da Exame Informática de 16/06/2021.