Tecnologia eólica flutuante
11 de Maio de 2021.
Escrever com a mente
13 de Maio de 2021.
Mostrar Tudo

Voyager 1 deteta ‘murmúrio’

Sonda que está há 40 anos no espaço continua a fazer descobertas promissoras. Agora, a equipa anunciou que um dos instrumentos a bordo conseguiu detetar um vago murmúrio a acontecer persistentemente no espaço interestelar

A Voyager 1 está no espaço já desde 1977, mas continua a fornecer importantes pistas que alimentam a comunidade científica. Agora, a equipa anuncia que o Plasma Wave System (PWS) a bordo e que deteta a densidade dos eletrões conseguiu apanhar vestígios persistentes de um ‘murmúrio’.

Stella Ocker, uma das autoras do estudo publicado na Nature Astronomy, explica que “é muito leve e monótono, porque está numa largura de banda de frequência muito reduzida. Estamos a detetar o leve e persistente murmurar de gás interstelar”. A descoberta sugere que existe um nível de atividade basal mais frequente do que se sabia até agora.

O instrumento foi usado para gravar as ondas de rádio provenientes dos gases no espaço e nas magnetosferas de Júpiter e Saturno. No entanto, só depois de a Voyager 1 ter saído do Sistema Solar é que o PWS começou a ser verdadeiramente útil. O PWS é um dos poucos aparelhos que ainda está operacional e foram as suas medições que permitiram inferir que, em 2012, a sonda chegou efetivamente ao espaço interestelar, tornando-se o primeiro objeto feito por humanos a conseguir a proeza.

A sonda está para lá da heliosfera, ou seja, para lá da influência direta do Sol, mas ainda assim viu o seu trabalho afetado por ‘explosões’ de energia que provêm do astro ‘rei’. O PWS detetou sinais destes fenómenos pela primeira vez em 2014 e estes foram descritos como verdadeiros tsunamis que dificultavam a perceção de outros sinais. James Corden, o autor principal do estudo, descreve o espaço interstelar como tendo uma “chuva suave contínua. No caso destas explosões solares, é como detetar um trovão no meio de uma tempestade, mas depois volta tudo a uma chuva miudinha contínua”.

A descoberta deste ‘murmúrio’ gasoso pode ajudar os cientistas a preparar as próximas missões direcionadas para o espaço interstelar.

Clique aqui para ler a notícia da Exame Informática de 11/05/2021.