Foguetão cai em direção à Terra
4 de Maio de 2021.
Estudo do impacto do mercúrio
6 de Maio de 2021.
Mostrar Tudo

Empresa portuguesa na Nvidia

A Beyond Vision faz agora parte do lote de start-ups apoiadas pela multinacional tecnológica americana. Acesso precoce a tecnologia, formação e descontos são alguns dos benefícios disponibilizados

Os dias têm sido curtos para Dário Pedro e restante equipa da Beyond Vision. A empresa portuguesa de drones, ‘alimentada’ por duas dezenas de jovens engenheiros, não para de crescer. E isto não passou despercebido ao gigante tecnológico americano Nvidia, conhecido sobretudo pelos processadores gráficos usados na indústria de jogos.

Uma prova deste reconhecimento chegou agora com o convite para fazerem parte do lote de start-ups apoiada no âmbito do programa Nvidia Inception, de apoio a empresas que estejam a “revolucionar” a indústria com avanços na área da Inteligência Artificial e da ciência de dados, justifica a multinacional. “A Nvidia é uma empresa muito avançada e são poucos os parceiros que conseguem atingir uma integração tão completa. Sentimo-nos muito lisonjeados”, diz Dário Pedro.

O responsável pela equipa de Investigação e Desenvolvimento da Beyond Vision realça as vantagens de fazer parte desta elite mundial, como sejam o acesso precoce a tecnologia, os descontos na aquisição de equipamento, a possibilidade de aceder à poderosa rede de contactos do gigante Nvidia e sobretudo o apoio técnico que permitirá esclarecer dúvidas de uma forma muito mais rápida e expedita. “Agora será muito mais fácil fazer as perguntas e ter acesso a quem nos ajude a resolver eventuais problemas [relacionadas com os produtos desenvolvidos pela Nvidia].”

A start-up portuguesa, sediada em Alfragide, tem-se distinguido no mercado pelo desenvolvimento e fabrico de drones, sendo responsável por toda a cadeia de produção: da programação dos chips, à construção do próprio drone (com recurso a impressoras 3D da empresa portuguesa Blocks). Além disso, os engenheiros da Beyond Vision também concebem o software para gestão da rota do drone e para análise dos dados recolhidos pelas câmaras multi-espectrais, a bordo do veículo.

Até agora, este tipo de equipamentos tem sido utilizado sobretudo em explorações agrícolas, como o olival ou a vinha, para acompanhamento da produção e monitorização de parâmetros, como o crescimento da planta, o grau de humidade no solo, as falhas na rede de abastecimento de água. O modelo mais popular tem sido o HEIFU – um hexacóptero autónomo, equipado com 4G e 5G e vocacionado para a recolha de dados, em missões com duração de até 30 minutos e precisão na localização de 20 centímetros. A empresa tem outros modelos maiores, para outro tipo de aplicações, como o VTOL, vocacionado para o transporte de carga, em distâncias que podem ir até aos 600 quilómetros. Ou seja, de norte a sul de Portugal.

Clique aqui para ler a notícia da Exame Informática de 04/05/2021.