Os Mágicos da Choupana
7 de Dezembro de 2020.
História da Madeira. Séc. XX
14 de Dezembro de 2020.
Mostrar Tudo

Contos e Lendas da nossa ilha

IMPRENSA ACADÉMICA E CÂMARA MUNICIPAL DO FUNCHAL APRESENTAM

Contos Populares e Lendas da Madeira e Porto Santo, de José Viale Moutinho

A obra está à venda na Gaudeamus, na Fnac, na Wook, na Bertrand (online e lojas) e noutros livreiros nacionais e regionais.

De qualquer modo, aqui fica também a nota que o presente volume é como que o balanço dos contos e lendas que chegaram até aios nossos dias, desde que em terra madeirense se foram fazendo lareiras nas primitivas habitações dos descobridores e primeiros colonos e os circunstantes matavam saudades das suas terras distantes agitando as suas memórias, estimulados pelo paraíso em que se encontravam e acrescentar à memórias alguns pontos de imaginação, como sempre acontecia!

José Viale Moutinho, agosto de 2020

Contos Populares e Lendas da Madeira e Porto Santo, da autoria de José Viale Moutinho, encontra-se dividido por concelhos e sob cada designação toponímica são apresentados os respetivos contos e lendas.

Com ilustrações mandadas fazer por R. Ackermann, para o livro que editou em Londres, 1821 – hoje uma raridade bibliográfica –, A History of Madeira, with a series of twenty-seven coloured engravings, illustrative of the costumes, manners and occupations of the inhabitants of the Island, a viagem que o autor nos convida a fazer, através dos contos e lendas, tem início no Funchal, na ilha da Madeira, passa pelo Porto Santo e termina nas ilhas Selvagens

Na tradição de um povo, muitas são as histórias passadas de geração em geração com o finto de educar os mais novos, ou simplesmente de divertir quem as escuta. Por séculos de serões junto ao fogo, o povo madeirense deu vida a essas narrativas, ora nascidas nas suas terras, ora adotadas de povos de terras longínquas para lá do mar.

Assim surgem os contos populares e as lendas destas ilhas da Madeira e do Porto Santo. Os primeiros, fantasias do contador destinadas a divertir o ouvinte. As segundas, explicações do narrador para ensinar algo ao público, misturando o facto com o mito.

Nas páginas aqui compiladas por José Viale Moutinho, encontramos as nossas versões de contos universalmente conhecidos, como A Gata Borralheira, Ali-Babá e os 40 Ladrões ou O Gato das Botas. A maior parte, porém, pertence somente às ilhas da Madeira e do Porto Santo. Falam dos horrores das grutas do Cavalum e dos amores de Machim; dos milagres da Senhora do Monte e do Cristo do convento de São Francisco do Funchal; do porquê de se chamar Terreiro da Luta àquele logradouro funchalense; do viram acontecer o Cabo Girão, a Penha d’Águia, o Pico de Ana Ferreira e outros marcos insulares. As Ilhas Selvagens também não foram esquecidas, por certo pirata lá ter escondido um dos mais procurados saques dos sete mares, o tesouro desaparecido da catedral de Lima, Perú.

Sobre a Autor

JOSÉ VIALE MOUTINHO, nasceu no Funchal, em 1945. Diretor da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, hoje é seu sócio honorário. Nessas áreas publicou: À Lareira (Literatura Popular Portuguesa, 2 vols.), Adivinhas Populares Portuguesas, Vida e Trabalho no Cancioneiro Popular Português, Contos Populares Portugueses, Portugal Lendário, Inéditos de Trindade Coelho com interesse etnográfico, Literatura de Cordel, O Livro Português das Fábulas, A Alma aos pés de Baco e Ó meu rico Santo António!. É recipiente da Medalha de Honra da Sociedade Portuguesa de Autores; duas vezes do Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Brnco, da Associação Portuguesa de Autores; do Pedrón de Honra, da Fundación Pedrón de Ouro (Santiago de Compostela); do Prémio Rosalia de Castro, do Pen Clube da Galiza; bem como dos prémios de conto e de poesia Edmundo Bettencourt, da Câmara Municipal do Funchal. Recebeu ainda a Menção Honrosa do Prémio Grémio Literário; o Grande Prémio de Reportagem Norberto Lopes, da Casa da Imprensa de Lisboa; o Prémio de Periodismo El Adelanto Salamanca), entre outros. Ficcionista, poeta e ensaísta, tem obras publicadas no Brasil, em Espanha, na Áustria, na Alemanha, na Itália, na Rússia, na Bulgária e na Hungria. O presente livro sairá em russo e em inglês, no início de 2021. Estreou-se, em 1968, com a novela Natureza Morta Iluminada. Para além de livros para jovens e crianças, publicou Monstruosidades do Tempo do Infortúnio, Os Cimentos da Noite (poesia, 1975 – 2018), Camilo Castelo Branco: Memórias fotobiográficas, Quinteto Camiliano, Quatro manhãs de nevoeiro, Insólita Paisagem, A batalha de Covões, Los Moros, Primeira Linha de Fogo (Guerra Civil de Espanha e Holocausto), A Noite de Ravensbruck, entre outros.

Sobre a Editora

A primeira imprensa universitária nasceu em Coimbra, no séc. XVI, durante o reinado de D. João III. A Imprensa Académica é uma editora universitária criada em 2014 pela Associação Académica da Universidade da Madeira, que é a sua proprietária e gestora. Desde a sua génese, publicamos 48 obras em várias áreas do saber, por iniciativa da sua equipa de voluntários e colaboradores, alunos e antigos alunos, e de propostas recebidas por autores, professores, investigadores e organizações.

A actividade da Imprensa Académica, que foi galardoada, em 2019, com o Prémio Boas Práticas do Associativismo Estudantil pelo Instituto Português do Desporto e Juventude, nasce do trabalho de um corpo de voluntários que integra todo o processo editorial, de comunicação e comercial, de forma a permitir a consciencialização do público sobre a importância da leitura enquanto competência fundamental para potencializar conhecimento e inclusão.

Criar leitores constitui o principal desafio assumido pela equipa de voluntários que promove conhecimento e, simultaneamente, o adquire. Cientes de que criar leitores é uma tarefa árdua acreditamos que é fulcral para perpetuar um percurso escolar e académico de sucesso dos nossos jovens, para a criação de massa crítica e para a existência de uma sociedade aberta e inclusiva.

Este projecto assume uma forte investigação na área cultural e educacional, através da publicação de obras desenvolvidas por autores madeirenses e, concomitantemente, integrar estudantes e antigos estudantes nos vários processos inerentes à publicação de uma obra, como a selecção de conteúdos, a transcrição, a adaptação de textos, a idealização, a revisão ou a promoção, possibilitando a aquisição de experiência e competências úteis para a sua integração futura no mercado de trabalho.

Consulte, aqui, o catálogo de publicações da Imprensa Académica.