Estrelas criadas em laboratório?
28 de Julho de 2020.
Vagas e cursos do Ensino Superior
30 de Julho de 2020.
Mostrar Tudo

Saturno, a nova tendência do verão

A fotografia foi tirada durante o Verão, no hemisfério norte do planeta, e mostra novos detalhes de Saturno.

O telescópio espacial Hubble, da NASA, captou uma fotografia inédita que mostra Saturno no Verão. A imagem foi obtida a 4 de Julho, quando o segundo maior planeta do sistema solar (depois de Júpiter) estava a 1,3 mil milhões de quilómetros da Terra.

Na fotografia vê-se uma ligeira neblina avermelhada, o que, segundo os cientistas, pode resultar do aquecimento gerado pelo aumento da luz solar, o que afecta a circulação e o nível de gelo da atmosfera. Outra possibilidade: mais luz solar conduz a alterações na quantidade de névoa fotoquímica produzida.

“É espantoso que, mesmo depois de alguns anos, estejamos a ver mudanças sazonais em Saturno”, diz a investigadora principal do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA, Amy Simon, citada no comunicado da NASA divulgado na quinta-feira.

Olhando atentamente para a fotografia, nota-se uma tonalidade azulada no pólo sul, que se deve a mudanças na atmosfera de Inverno do planeta. Na imagem capturada pelo Hubble também podem ser vistas duas das 82 luas de Saturno, o planeta do sistema solar com mais satélites naturais: Mimas à direita, Enceladus em baixo.

A imagem faz parte do projecto Outer Planets Atmospheres Legacy (OPAL), que visa melhorar a compreensão da dinâmica atmosférica e da evolução nos planetas gigantes gasosos, como Saturno e Júpiter. Os cientistas da OPAL estão a estudar os padrões meteorológicos e tempestades em constante mudança no planeta, com várias pequenas tempestades atmosféricas observadas na foto.

A fotografia é também suficientemente nítida para mostrar como a cor de certas faixas muda ligeiramente a cada ano. Saturno é castanho-amarelado porque a sua atmosfera é maioritariamente de hidrogénio e hélio, com vestígios de amoníaco, metano, vapor de água e hidrocarbonetos.

Também se podem ver os famosos anéis de Saturno com grande detalhe. “Na sua maioria, são feitos de pedaços de gelo, com tamanhos que vão desde grãos minúsculos a rochas gigantes”, explica a NASA. Na verdade, não se sabe como ou quando se formaram os anéis. Muitos cientistas acreditam que têm mais de quatro mil milhões de anos – a mesma idade de Saturno – mas outros dizem que só surgiram há algumas centenas de milhões de anos, quando os dinossauros habitavam a Terra.

Apesar de ter sido concebido para durar apenas 15 anos, o telescópio Hubble celebrou, em Abril, 30 anos no espaço, durante os quais as suas imagens contribuíram para uma série de descobertas emocionantes. Permitiu estudar buracos negros, misteriosas energias negras, galáxias distantes e fusões galácticas.

O telescópio espacial é um projecto de cooperação internacional entre a NASA e a Agência Espacial Europeia. Tem observado planetas fora do nosso sistema solar e onde se formam em torno de estrelas. Também detectou, por exemplo, luas antes desconhecidas em torno de Plutão.

Clique aqui para ler a notícia do Público de 28/07/2020.