Ferramenta com 1,4 milhões de anos
24 de Julho de 2020.
Estrelas criadas em laboratório?
28 de Julho de 2020.
Mostrar Tudo

Zero hidrográfico? O que é isso?

O zero hidrográfico é uma referência utilizada para a previsão de altura das marés e para a segurança da navegação marítima, através das profundidades indicadas nas cartas náuticas.

As marcas de nivelamento usadas para medir altitudes a nível nacional, mas que em cidades e vilas portuárias também indicam o zero hidrográfico, uma referência utilizada para a previsão de altura das marés, são em geral desconhecidas da população.

A Rede Nacional de Nivelamento Geométrico de Alta Precisão, um sistema oficial criado a partir de 1938 que permite aferir a altitude em qualquer ponto do país, utiliza no total mais de 4500 localizações estáticas, quase três centenas das quais são marcas de nivelamento principal.

Nas localidades portuárias, em pelo menos 14 dos 19 portos do continente e ilhas, as marcas de nivelamento principal (NP) –uma inscrição metálica quadrada, que não chega a ter dez centímetros de lado, chumbada na pedra em igrejas, monumentos, estações de comboio ou autarquias – indicam, cumulativamente, o zero hidrográfico.

Este é um referencial usado para a previsão das marés e para a segurança da navegação marítima, através das profundidades indicadas nas cartas náuticas, e que em Portugal é definido “pelo nível da mais baixa das baixas-marés registadas num determinado período, normalmente 18,6 anos”, refere a Direcção-Geral do Território na sua página de Internet.

As marcas de nivelamento principal situam-se, na sua globalidade, em locais imutáveis ao longo do tempo. Em Óbidos, distrito de Leiria, a NP 222 está localizada no Paço de São João Baptista, junto à porta da vila, confirma a arqueóloga do município, Dina Matias. Ali, o zero hidrográfico situa-se, de acordo com informação do Instituto Hidrográfico (IH) da Marinha, 58,4 metros abaixo daquela marca, sendo referência para o porto de Peniche, localizado a 18 quilómetros em linha recta.

Arlindo Nunes, taxista há 19 anos, na praça fronteira ao edifício, onde sempre viu a marca, associa-a a “qualquer coisa relacionada com o edifício, uma data talvez”. Ou então “talvez queria dizer ‘nacional português’”, atira o taxista, quando informado de que a inscrição NP 222 não está relacionada com os passos que se cumprem nas procissões religiosas, sendo antes uma espécie de número de série (a primeira marca de nivelamento principal colocada em Cascais, na porta principal da Cidadela, em 1938, tem o número um).

No mesmo degrau, ao lado da marca, senta-se diariamente um grupo de reformados, a ver passar os visitantes e a conversar entre si, porque com os turistas “nem conversas nem fotos, que eles não gostam”, explica o taxista. Com jornalistas “menos ainda”, adverte um deles, escusando revelar o nome de quem, “nascido e criado em Óbidos há 75 anos”, é “desde sempre” conhecedor da marca, cujo significado atribui “ao número de passos [das procissões] pelo país fora, que aqui em Óbidos são cinco”.

Mas, como “um homem está sempre a aprender”, se afinal “tem a ver com as marés também não é de estranhar”. Em tempos, “aquela várzea lá em baixo era tudo lagoa [de Óbidos] e ali na estação há umas argolas onde se prendiam os barcos”, esclarece. “Isso sim, são marcas que se percebem, agora esta, uns sentam-se, outros pisam, ninguém liga”, remata.

Na Figueira da Foz, litoral do distrito de Coimbra, a marca NP 96 passa despercebida a quem circula na rua Fernandes Tomás, na baixa da cidade. Está localizada na fachada traseira da câmara municipal, quase ao nível do passeio, no vão de uma janela, e nem um livro editado em 2001 sobre o edifício dos Paços do Concelho (cuja construção foi concluída em finais do século XIX) lhe faz qualquer alusão.

O presidente do município, Carlos Monteiro, soube pela agência Lusa da existência, naquele local, da marca de nivelamento principal – que situa o zero hidrográfico 5,4 metros abaixo –, a exemplo do capitão do porto João Lourenço, que embora saiba o seu significado, dadas as suas funções, desconhecia onde se situava.

“Claro que é uma descoberta. Já tinha visto a placa, mas nem sequer tive a curiosidade de perceber – o que até parece mau – o que é que a placa indicava ou representava. No mínimo, vai despertar a curiosidade das pessoas”, admite Carlos Monteiro. João Lourenço resume a função da marca NP 96, relativamente ao zero hidrográfico: “É um plano referencial segundo o qual se fazem todas as medidas marítimas e que varia de porto a porto.”

Mais a norte, em Viana do Castelo, a marca NP 27 está cravada na soleira do lado esquerdo da porta principal da estação de caminhos-de-ferro e passa despercebida aos passageiros apressados que chegam ou partem de comboio.

Alertados pela Lusa, confessam nunca ter dado pela sua existência, desconhecendo o seu significado (ali, o zero hidrográfico fica 17,8 metros abaixo), tal como o chefe da estação ou um maquinista. Já a funcionária da bilheteira, situada mesmo à entrada da porta principal, ficou a saber da localização da placa “porque, de vez em quando, uns senhores vêm fazer medições”, sem que conheça a sua finalidade.

Em Lisboa, segundo o IH, o zero hidrográfico “situa-se 7,6 metros abaixo da marca situada na pilastra do lado direito na face sul do pedestal da estátua de D. José”, no Terreiro do Paço.

Alheios a este marco, é naquela obra do escultor Joaquim Machado de Castro, de 1775, no centro da Praça do Comércio, que os turistas se sentam para descansar e tirar fotografias, sem ter conhecimento da sua existência.

Mas também especialistas desconhecem o seu significado: contactado pela agência Lusa, o Gabinete de Estudos Olisiponenses, que se dedica ao estudo da cidade de Lisboa, revela não ter nenhum investigador que saiba explicar o sentido da marca de nivelamento principal e a sua história.

D. José I “guarda” outra marca de nivelamento principal, desta vez em Vila Real de Santo António, distrito de Faro, localizada no meio da cêntrica Praça Marquês de Pombal, no degrau mais elevado do obelisco que homenageia o monarca.

Na praça, onde é habitual as crianças brincarem sob supervisão dos pais e pela qual passam diariamente muitos residentes nos afazeres do dia-a-dia, a Lusa testemunha como uma família olha as brincadeiras dos filhos sem perceber que, no lado norte do monumento, de frente para a Igreja católica de Nossa Senhora da Encarnação, está no pavimento a marca em metal no degrau mais elevado do pelourinho. “Há anos que venho passar férias a Vila Real de Santo António e nunca me tinha apercebido que isto estava aqui no chão. E também não sabia que havia marcas deste tipo dispersas pelo país”, reconhece Francisco Frazão.

Apesar da importância da placa metálica NP 155 para a definição do zero hidrográfico, que se estabelece 6,8 metros abaixo desse registo em Vila Real de Santo António, a sua existência também é desconhecida de locais, como Guilherme Ramos, que admite ter vivido “uma vida inteira na cidade sem nunca ter reparado nela”. “É curioso ter uma marca destas na principal praça da cidade, também ter brincado aqui em criança e vivido cá mais de 40 anos sem nunca ter visto que ela estava aqui no chão, nem sequer ouvido falar neste tipo de marcas”, afirma.

Há ainda marcas de nivelamento principal que dão o zero hidrográfico em pelo menos quatro igrejas, como em Faro e Lagos, ambas no Algarve, mas também em Sines, no litoral alentejano. Aqui, o referencial das marés está situado 35,9 metros abaixo da marca NP 210 existente na ombreira da porta principal da igreja Matriz, em pleno centro histórico, paredes meias com o castelo da cidade e junto à estátua do navegador Vasco da Gama, de olhos postos no mar.

Se a marca passa despercebida aos que visitam e percorrem aquela zona de Sines, nem mesmo quem entra e sai diariamente da igreja Matriz tinha dado conta da sua existência, como é o caso do diácono Joaquim Simão.

“Frequento a igreja desde 1995 e há oito anos que sou diácono e nunca tinha reparado nesta marca ou tinha ouvido falar no ‘zero hidrográfico’. Sei que os homens ‘roubam’​ espaço ao mar para construir e basta olhar para o porto de Sines e o que já cresceu para perceber como ganhamos terreno ao mar”, afirma Joaquim Simão. À entrada da igreja, o diácono, de 80 anos, diz que a partir de agora vai “dar a conhecer esta curiosidade” aos fiéis.

Também a igreja de S. José, no Campo de São Francisco, no centro histórico da cidade de Ponta Delgada (Açores), guarda uma “curiosidade” que “a maior parte da população desconhece”, segundo o pároco local.

Na soleira da porta principal, a marca de nivelamento principal dá o zero hidrográfico 10,5 metros abaixo e “a maior parte da população desconhece este pormenor de referência, que no fundo diz dos cuidados e atenção a ter com o mar”, comenta Duarte Melo. Segundo o pároco, “há um desconhecimento da maior parte da população” sobre esta curiosidade, o que não implica que a população não seja cuidadosa, até porque a história dos Açores tem sido marcada por várias calamidades naturais.

Partindo da cidadela de Cascais
Localizadas nas principais estradas e em vilas e cidades, O território português possui mais de 4500 marcas que compõem a Rede Nacional de Nivelamento Geométrico de Alta Precisão, permitindo medir a altitude em qualquer ponto do país.

Este sistema foi criado a partir de 1938, com a colocação da marca de nivelamento principal original (NP 1) à entrada da cidadela de Cascais – uma inscrição metálica quadrada, que não chega a ter dez centímetros de lado, chumbada na pedra. Esta é a referência para todas as restantes, explicam especialistas da área.

Em declarações à Lusa, o vereador da Ciência e do Conhecimento na Câmara Municipal de Viana do Castelo, o geólogo Ricardo Carvalhido, argumentou que conhecer a altitude absoluta de um objecto é um “exercício fundamental em várias tarefas humanas”. “Não se constrói uma ponte ou uma barragem sem este referencial, mas também não se consegue conhecer de que forma o clima ou o nível do mar foi evoluindo ao longo do tempo”, referiu.

O também investigador do Centro de Ciências da Terra da Universidade do Minho usou as várias marcas da Rede de Nivelamento Geométrico de Alta Precisão existentes em Viana do Castelo para os trabalhos de doutoramento, juntamente com outros sistemas da rede geodésica portuguesa “para poder determinar a evolução do clima e do nível do mar do Noroeste peninsular e ao longo dos últimos 400 mil anos”.

A marca de nivelamento principal NP 27, localizada na soleira da estação de caminhos-de-ferro de Viana do Castelo, juntamente com outra, de outro tipo, que está na escada de acesso à ponte Eiffel, na mesma cidade do Alto Minho, serviram de instrumento de trabalho a Ricardo Carvalhido na classificação do Alcantilado de Montedor como monumento natural.

Neste sítio natural “estão preservadas as praias ancestrais” de há 410 mil anos, 330 mil anos e 220 mil anos, localizadas, respectivamente 18 metros, 13 metros e oito metros acima do nível do mar, que, em Viana do Castelo, está referenciado cerca de oito centímetros abaixo do nível do mar de Cascais.

Ouvido pela Lusa, o comandante Pinto da Silva, chefe da Brigada Hidrográfica do IH, explicou, por seu turno, que o nível médio do mar referenciado em Cascais é “um nível médio adoptado” para ficar “fixo no tempo” e dar a referência altimétrica para Portugal.

Assim, foi elaborado um trabalho a nível nacional, ao longo do último século, que “transportou” a cota referenciada em Cascais para outras marcas que “têm outra altitude”, disse Pinto da Silva.

Segundo o engenheiro hidrógrafo, as marcas de nivelamento principal foram colocadas em locais que “ficam perenes no tempo” – como igrejas ou monumentos, entre outros – e quem precisa de fazer uma determinada medição “com precisão vê qual é a marca associada mais perto”.

Além das marcas de nivelamento principal, que são cerca de três centenas, a rede inclui milhares de outras, as chamadas “rodas” ou “pontos coordenados”, que são “moedinhas pequeninas com a data”, sensivelmente do tamanho de uma moeda de cinco cêntimos, frisou o chefe da Brigada Hidrográfica.

Estas, existentes aos milhares – por exemplo, na Estrada Nacional 109, entre a Figueira da Foz e Aveiro, existe uma roda a cada dois quilómetros – permitem fazer a medição da altitude “com grande precisão, de milímetros”, revelou ainda Pinto da Silva.

Porém, ao contrário das marcas de nivelamento principal, que existem imutáveis há dezenas de anos, os pontos coordenados, até pela sua localização, são várias vezes “apagados” da rede, por obras públicas em estradas ou cais de acostagem, entre outras intervenções.

A página Internet da Direcção-Geral do Território possui um mapa interactivo que permite conhecer a localização de todas as marcas existentes, embora algumas, nomeadamente as pequenas rodas, estejam referenciadas em locais que já não existem.

Na Figueira da Foz, uma das pequenas moedas é localizada junto ao desaparecido posto da Polícia de Viação e Trânsito (antecessora da Unidade Nacional de Trânsito da GNR), num local hoje ocupado pelo cais comercial e onde desembocava a também desaparecida ponte entre as duas margens do Mondego, retirada na década de 1980 após a construção da ponte Edgar Cardoso.

Na mesma página, a Direcção-Geral do Território sustenta que a Rede Nacional de Nivelamento Geométrico de Alta Precisão “é a infra-estrutura que constitui o sistema de altitudes rigorosas oficial para o território nacional, servindo, por isso, de apoio aos mais diferentes tipos de projecto”, como vias de comunicação, obras-de-arte, planos de pormenor ou construção de barragens.

Clique aqui para ler a notícia do Público de 27/07/2020.