Cérebros, mães e decisões
7 de Julho de 2020.
Sibéria com a temperatura mais alta
9 de Julho de 2020.
Mostrar Tudo

Algas como fonte de ómega-3?

Embora os cientistas digam que as microalgas não devam substituir completamente o peixe como fonte alimentar, podem ser outra fonte de ácidos gordos de ómega-3.

As microalgas podem ser uma fonte alternativa de ácidos gordos ómega-3, substituindo espécies de peixe e sendo mais amigas do ambiente, segundo um estudo da Universidade Martinho Lutero, de Halle-Wittenberg, Alemanha.

O estudo, publicado na revista científica Journal of Applied Phycology, baseia-se em investigações de cientistas alemães que indicam que a criação de microalgas para alimentação pode ser uma boa alternativa a peixes de aquacultura como o salmão.

As microalgas são investigadas há décadas, primeiro para matéria-prima para combustíveis alternativos aos fósseis e mais recentemente como fonte de nutrientes na dieta humana. Actualmente são especialmente produzidas em tanques ao ar livre na Ásia, com potenciais riscos de contaminação, sendo que algumas espécies são mais fáceis de cultivar em sistemas fechados designados fotobiorreactores.

“Queríamos saber se as microalgas produzidas em fotobiorreactores na Alemanha podiam fornecer uma fonte de nutrientes essenciais mais amiga do ambiente do que o peixe”, explicou Susann Schabe, do Instituto de Ciências Agrícolas e Nutricionais da Universidade.

Os fotobiorreactores têm sido comparados aos tanques em termos de impactos ambientais e são considerados com custos mais elevados. “No entanto, tem sido feita pouca investigação sobre a extensão precisa dos impactos ambientais das algas produzidas para consumo humano, especialmente em condições meteorológicas como as encontradas na Alemanha”, acrescentou Susann Schabe.

Os investigadores desenvolveram um modelo para determinar os impactos ambientais num local específico e compararam a pegada de carbono dos nutrientes das microalgas e dos peixes, analisando também o quanto ambas as fontes alimentares aumentaram a acidificação e eutrofização da água, explicou Toni Meier, chefe do gabinete de inovação (nutriCARD) da Universidade Martinho Lutero.

Como resultado da investigação, ficou demonstrado que a criação de microalgas tem um impacto ambiental semelhante ao da criação de peixe.

“Contudo, se compararmos os efeitos ambientais em relação à quantidade de ácidos gordos ómega-3, o peixe de aquacultura fica a perder” disse Schade. “As microalgas não devem e não podem substituir completamente o peixe como fonte alimentar, mas, se pudessem ser consideradas como um alimento normal, seriam outra excelente fonte de ácidos gordos de ómega-3”, explicou Toni Meier.

Clique aqui para ler a notícia do Público de 07/07/2020.