Ar, águas e biodiversidade na OCDE
18 de Novembro de 2019.
The history of one Balkan state
21 de Novembro de 2019.
Mostrar Tudo

Observatório Oceânico em risco

O Observatório foi constituído em Janeiro de 2014 com o objectivo de investigação e monitorização permanente do oceano e agrega uma comunidade científica multidisciplinar. O financiamento daquele espaço termina no próximo ano.

O Observatório Oceânico da Madeira (OOM) pode encerrar caso não exista apoio financeiro no âmbito do quadro comunitário, referiu esta segunda-feira o secretário regional do Mar e das Pescas, Teófilo Cunha.

“Temos quadros [comunitários de apoio] a terminar e outros que ainda não se iniciaram e vai haver aqui um espaço temporal em que algo vai ter de ser feito, com o risco de algumas entidades, como o observatório, poderem encerrar se não tiverem financiamento para funcionar”, disse o governante, durante uma visita que fez às instalações do OOM, no Funchal.

O Observatório foi constituído em Janeiro de 2014 com o objectivo de investigação e monitorização permanente do oceano e agrega uma comunidade científica multidisciplinar. De acordo com o governante, há linhas de financiamento que podem estar para aprovar mas, como a actual estrutura europeia ainda não se encontra em funcionamento na plenitude, todo o processo pode atrasar-se.

O financiamento termina em 2020 e, por agora, para dar continuidade ao funcionamento do próprio observatório, o executivo avalia o que pode ser feito dentro “das competências e do Orçamento Regional”. “Ficou o compromisso de estudar”, disse, porque antes do orçamento regional “ainda é preciso saber o orçamento da República”.

O trabalho do OOM insere-se sobretudo na recolha de informação para conhecimento do meio marinho de forma a aproveitar melhor os recursos disponíveis, de acordo com o seu director, Rui Caldeira. “É muito importante que este trabalho se faça se nós quisermos, efectivamente, pensarmos no desenvolvimento da economia azul porque não se faz economia sem conhecimento”, disse.

Um dos projectos em curso versa o aproveitamento do potencial energético eólico das ondas e das correntes para descobrir quais são as zonas com mais potencial energético. Referiu outro projecto que se prende com o mapeamento dos habitats para que se possa perceber quais os tipos de habitats subaquáticos que existem e quais as espécies de peixe e algas que os habitam.

Este projecto permitirá “uma avaliação do impacto” da criação de projectos aquíferos ou de marinas e portos. Foram investigadores do OOM que descobriram, a dois mil metros de profundidade, uma planície de corais ao largo da Ribeira Brava, na Madeira, em Julho de 2018.

Notícia do Público de 19/11/2019.