EU: the challenges of the future!
1 de Julho de 2019.
The European Elections
3 de Julho de 2019.
Mostrar Tudo

Junho mais quente na Europa

Dados revelados pelo programa Copernicus mostram que Junho de 2019 foi o mais quente de que há registo na Europa, ao mesmo tempo que um outro estudo do World Weather Attribution revela o impacto das alterações climáticas na recente onda de calor europeia.

Este foi o mês de Junho mais quente na Europa desde que há registos. De acordo com dados revelados esta terça-feira pelo programa Copernicus da União Europeia, a temperatura média na Europa no mês passado foi a mais alta de todos os meses de Junho, com valores médios cerca de dois graus Celsius acima do normal.

Os especialistas vão ainda mais longe, acrescentando que os dados mostram que a temperatura média global de Junho de 2019 foi também a mais alta de que há registo para aquele mês. Segundo o Copernicus, a temperatura em Junho deste ano terá sido cerca de 0.1ºC superior à de Junho de 2016 — considerado o ano mais quente de que há registos pelo Met Office do Reino Unido, a agência espacial norte-americana (NASA) e a agência governamental dos Estados Unidos para a atmosfera e os oceanos (NOAA, na sigla em inglês).

Quanto à recente onda de calor europeia, o Copernicus explica que esta foi causada pela chegada de uma massa de ar quente vinda do deserto Sara, no Norte de África, e revela que, em comparação com a média dos mesmos cinco dias (de 25 a 29 de Junho) entre 1981 e 2010, registaram-se temperaturas entre seis e dez graus acima do normal em países como França, Alemanha, Espanha, Itália, Suíça, Áustria e República Checa.

Os especialistas daquele instituto da União Europeia evitam relacionar directamente a recente onda de calor europeia às alterações climáticas, embora admitam que as previsões apontam para que tais eventos extremos se tornem mais frequentes à medida que o planeta aquece devido ao aumento da concentração dos gases com efeito de estufa.

Estes picos de temperatura não são incomuns nos meses de Junho, segundo dados reunidos pelo programa Copernicus. Porém, os cientistas explicam que em Junho deste ano, além de se terem registado elevados picos de temperatura, registou-se ainda um aumento geral de mais de 1.5ºC na Europa (tendo em conta dados dos últimos 100 anos).

Onda de calor mais intensa devido às alterações climáticas?
Por outro lado, um relatório divulgado também esta terça-feira pelo grupo World Weather Attribution, que estuda os fenómenos meteorológicos a nível mundial, revela que as alterações climáticas poderão ter feito com que a onda de calor que assolou a Europa na última semana de Junho – durante a qual se registaram 45,9 graus Celsius em França – tivesse sido cerca de quatro graus mais quente do que o que seria de esperar.

“As alterações climáticas já não são um aumento abstracto da temperatura média global, mas uma diferença que é possível sentir quando saímos à rua durante uma onda de calor”, explicou à Reuters Geert Jan van Oldenborgh, investigador holandês que fez parte do estudo.

No relatório, os cientistas explicam que as observações efectuadas mostram que “ondas de calor igualmente frequentes [nesta época] teriam sido cerca de 4ºC mais frias há um século”.

Além disso, as alterações climáticas também terão feito com que esta onda de calor registada entre os dias 26 e 28 de Junho – com temperaturas recorde em França, Suíça, Áustria, Alemanha, República Checa e Espanha – fosse cinco vezes mais provável de acontecer.

“Todas as ondas de calor que ocorrem actualmente na Europa são mais prováveis e mais intensas devido às alterações climáticas provocadas pelo homem”, concluem os cientistas no relatório, acrescentando que os resultados apontam para “um aumento muito grande na temperatura dessas ondas de calor”.

“Experienciamos uma onda de calor cuja intensidade se pode tornar a norma em meados deste século”, alertou à Reuters Robert Vautard, investigador do Centro Nacional francês para a Investigação Científica.

Porém, os especialistas do World Weather Attribution lembram que o impacto e frequência destes eventos dependem também da localização, época do ano, intensidade e duração, sendo que uma onda de calor em Junho não tem o mesmo impacto do que uma onda de calor em Julho ou Agosto.

Aquecimento global e eventos extremos
Alguns cientistas acreditam que o aquecimento da superfície terrestre – provocado essencialmente pela emissão de dióxido de carbono e combustíveis fósseis – tornará os eventos climáticos cada vez mais extremos e poderá fazer com que eventos como tempestades, secas e inundações sejam mais frequentes, assim como as ondas de calor.

A 28 de Junho, França ultrapassou o recorde de temperatura máxima desde que há registos, com os termómetros a registarem 45,9ºC em Gallargues-le-Montueux, no sul de França. Um valor que está quase dois graus acima da temperatura máxima registada em Conqueyrac, em Agosto de 2003 (44,1ºC).

O grupo World Weather Attribution alerta ainda para o impacto que as ondas de calor têm na população, nomeadamente ao nível da mortalidade, e para a necessidade de os Governos criarem e implementarem planos de acção para evitar possíveis danos.

Já a Organização Meteorológica Mundial (OMM), estima que os últimos cinco anos (de 2015 a 2019) possam vir a ser os mais quentes de que há registo.

Notícia do Público de 02/07/2019.