Passadeiras LGBTI+ em Campolide
15 de Maio de 2019.
Poland during celebrations
17 de Maio de 2019.
Mostrar Tudo

Licenciatura desvaloriza 22,8%

O prémio salarial dos trabalhadores com educação superior encolheu 22,8 pontos percentuais entre 2007 e 2016.

É a maior queda entre os países da OCDE, indica o “Employment Outlook 2019”, publicado esta quinta-feira. Portugal também está entre os países onde a probabilidade de um jovem trabalhador com formação superior ter um emprego com salário baixo mais aumentou.

Ter formação superior é sinónimo de vantagem salarial para os trabalhadores, mas esse prémio está a encolher e Portugal é o país onde mais diminuiu na última década.

A conclusão é da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), que no “Employment Outlook 2019”, publicado esta quinta-feira – cujo tema é o futuro do trabalho -, analisa a evolução do prémio salarial dos trabalhadores com ensino superior em relação aos que têm o ensino secundário.

“Apesar de os trabalhadores com educação superior reterem uma vantagem nos ganhos por toda a OCDE, ao longo da última década o prémio salarial da educação caiu em diversos países”, lê-se no documento.

Em concreto, a OCDE contabiliza uma redução neste prémio em 21 dos 32 países analisados, no período entre 2006 e 2016.

Contudo, apenas em seis desses países a queda foi superior a 10 pontos percentuais e Portugal lidera esta lista, com o prémio salarial do ensino superior a encolher 22,8 pontos percentuais (neste caso, entre 2007 e 2016).

Explicação? Esta evolução “deveu-se, em parte, ao facto de um número crescente de trabalhadores com educação superior encontrarem-se em profissões que não pagam salários elevados”, constata a OCDE.

O documento aponta, contudo que “o principal fator da queda foi, na realidade, o fraco desempenho dos salários nas profissões muito qualificadas, que ainda empregam uma grande parcela do grupo dos trabalhadores com elevados níveis educacionais”.

JOVENS MUITO QUALIFICADOS COM MAIOR RISCO DE BAIXOS SALÁRIOS

Portugal também está entre os países da OCDE onde a probabilidade de os trabalhadores jovens com elevado nível educacional terem um emprego de baixo salário mais aumentou na última década, aponta a OCDE.

A tendência de aumento desta probabilidade é transversal a 22 dos 32 países analisados.

Mas, os maiores incrementos ocorreram em Espanha (20,8 pontos percentuais), Irlanda (16,6 pontos percentuais) e Portugal (16,4 pontos percentuais), constata a OCDE.

Notícia do Expresso, 25/04/2019.