Joseph Stalin’s “gift” to Poles
1 de Fevereiro de 2019.
Visita ao Museu de Electricidade
1 de Fevereiro de 2019.
Mostrar Tudo

Pelo direito à educação!

Terminou com sucesso o projecto Pelo direito à educação!

Sendo a mais jovem instituição de ensino superior público do país, a Universidade da Madeira oferecia, no ano lectivo de 2017-2018, dezoito cursos de 1.º ciclo, abrindo concurso para 593 novos estudantes, um Ciclo Básico Preparatório de Mestrado Integrado, dezasseis cursos de 2.º ciclo, seis cursos de 3.º ciclo, um curso de Pós-Graduação e nove Cursos Técnicos Superiores Profissionais. A retracção de estudantes matriculados, quer pelo não ingresso, pelo insucesso, abandono ou desistência, tornou premente ensaiar a situação da população estudantil universitária local algo que foi iniciado em Novembro de 2017 com o apoio da Direcção Regional de Juventude e Desporto, através do seu Programa de Inovação e Transformação Social (PRINT).

O projecto, desenvolvido durante um ano, teve como principais objectivos caracterizar e compreender os factores associados ao abandono escolar na Universidade da Madeira, em especial dos caloiros que, de acordo com a literatura, são os que mais desistem e abandonam os estudos de nível superior, por ser um ano crítico, de questionamento, de adaptação e de integração, (Curado e Machado, 2006; Almeida e Vieira, 2006; Almeida, 2013; Ferreira e Fernandes, 2015) e implementar medidas preventivas e de apoio aos estudantes da UMa, nomeadamente laboratórios de ideias temáticos e campanhas de sensibilização para a problemática do abandono escolar no ensino superior. O primeiro passo, que consistiu na aplicação de um inquérito por questionário a estudantes do 1.º ano, permitiu definir quais os temas-chave a debater e a considerar aquando do contacto directo com os estudantes, em particular os do 1.º ano.

Num total de 318 respondentes de 420 estudantes matriculados na 1.ª fase de matrículas, os dados revelaram que os caloiros da UMa são maioritariamente jovens, do sexo feminino e com um potencial desajustamento entre as expectativas iniciais e as colocações impostas pelo Concurso Nacional de Acesso. Contudo, e apesar de o termos considerado como um dos principais factores de insucesso e de abandono a verdade é que os resultados indicaram um dado curioso: 92% dos estudantes inquiridos reiteravam a ideia de quererem permanecer na escolha do curso inicial. Saliente-se, porém, que 52,8% dos respondentes assumiram que, apesar de querer permanecer na situação actual, já teriam questionado essas suas escolhas e ponderado reorientar o seu percurso e 7,9% ponderou, inclusive, abandonar o ensino superior.

A dificuldade em adaptar-se à nova condição de estudante universitário e à experiência académica (ritmos de trabalho, exigência pedagógica, relação com docentes, estratégias pedagógicas e organizacionais) apesar de não apresentar valores totais muito significativos no conjunto dos estudantes (8%), foi a razão mais vezes apontada por aqueles que ponderam abandonar a UMa. Refira-se, ainda, que, apesar de termos entre os respondentes 52,8% de estudantes bolseiros, as dificuldades financeiras aparecem referenciadas logo em segundo lugar justificando o incremento e um maior destaque dado a campanhas de sensibilização e de esclarecimento sobre as Bolsas de Estudo, o Passe Sub23, a Bolsa de Alimentação e a Bolsa Escolar.

Havendo a possibilidade de seleccionar diferentes opções, as respostas à pergunta “Dentro das dificuldades financeiras que enfrentas indica em que rúbricas é mais expressiva?” revelam que as propinas e o transporte são os valores que mais pesam nos orçamentos familiares e nas dificuldades sentidas pelos estudantes. No sentido oposto encontramos as despesas relacionadas com o alojamento (2,8%) e com a alimentação (14,2%). As despesas com o material escolar e de estudo são referenciadas, na sua maioria, por estudantes dos cursos de Medicina e de Design.

Estes foram apenas alguns dos dados que nos permitiram definir e implementar, com sucesso, um conjunto de laboratórios de ideias destinados aos estudantes do 1.º ano, mas abertos a todos os interessados. O sucesso, determinado pelo número de estudantes envolvidos, pelas conclusões do inquérito por questionário e pelo número de voluntários que estiveram envolvidos, levou a que esteja a ser criado um grupo de trabalho dedicado ao estudo dos principais desafios e dilemas dos estudantes da UMa na sua luta pelo direito à Educação.

Sobre o Universitas

Universitas é o programa da Académica da Madeira que congrega a oferta de acções de acolhimento, de acompanhamento e de inserção na vida activa dos futuros, actuais e antigos estudantes universitários. Assente na transmissão de valores, na construção de oportunidades e na valorização da cidadania, desenvolvemos várias iniciativas que espelham a raiz latina do conceito de universalidade, de totalidade, de companhia e de associação do vocábulo universitas. Pretendemos informar os candidatos ao Ensino Superior, através de visitas educativas pelos espaços da Universidade da Madeira; acolher os novos estudantes, com a promoção de actividades de acesso à informação e ao funcionamento da Academia; acompanhar os estudantes e antigos estudantes promovendo projectos e programas nacionais e internacionais que constituam oportunidades de integração na vida activa.

Criado em 2017, o programa Universitas promove a acção de integração dos novos estudantes do Ensino Superior, pela via da ciência e da cultura, pretendendo dinamizar a procura activa de conhecimento e de competências capazes de garantir o sucesso no mercado de trabalho. Juntam-se ao nosso programa as visitas educativas que são realizadas pelos espaços da Universidade da Madeira, a centenas de estudantes dos Ensinos Básico e Secundários, e a promoção dos programas europeus que se configuram como oportunidades ímpares na construção de um futuro promissor para os jovens madeirenses.

Apoio ao Estudante, matriz identitária e fulcral da nossa estrutura associativa, é uma componente central do Universitas, exercida através de políticas locais e nacionais. As acções de proximidade, através de uma actuação junto dos estudantes com o apoio ao seu quotidiano académico, são complementadas com uma participação activa nas políticas do ensino superior e da juventude.

Vencedor, em 2018, do Prémio Boas Práticas Associativismo Jovem, na categoria Estudantil, atribuído pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude, o programa continua a apostar na oferta de acções e iniciativas de acolhimento, de acompanhamento e de preparação para a inserção na vida activa dos futuros, dos actuais e dos antigos estudantes universitários.