Alain Bashung
23 de Janeiro de 2019.
The Castle of Vaduz
24 de Janeiro de 2019.
Mostrar Tudo

Licenciados com ordenados maiores

Licenciados ganham 64% acima de não-licenciados

Tirar uma licenciatura, um mestrado ou um doutoramento ainda compensa no atual contexto profissional? Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) demonstram que, financeiramente, sim, mas não tanto quanto no passado. Em Portugal, a remuneração média mensal de base era, em 2017 (últimos dados disponibilizados), €943 em valores brutos. Um licenciado ganhava em média de €1547,17 brutos mensais, 64% acima da média nacional. Ter mestrado confere um salário 62% acima da média nacional e um doutorado tem uma remuneração 145% superior. Mas as vantagens salariais associadas à qualificação superior tem vindo a diminuir ao longo dos anos.

Em 2007 a remuneração média mensal de um licenciado era mais do dobro do valor médio nacional auferido pela generalidade dos trabalhadores. Nesse ano, o rendimento médio mensal nacional era, em valores brutos, €806,07. Um licenciado ganhava em média €1656,07. Mestres e doutorados ganhavam, respetivamente, €1738,09 e €2083,54, mais 115,6% e 158,5%. Desde 2008, o ano pré-crise, que a valorização salarial associada à formação superior está em queda.

CRISE FORÇOU DESCIDAS

Mário Rocha, diretor da consultora de recrutamento Hays, admite que a perda de competitividade salarial da formação superior contabilizada pelo INE ao longo dos últimos anos possa estar relacionada com os elevados índices de desemprego registados no país. “Na prática, muitos profissionais altamente qualificados que se viram em situação de desemprego e com dificuldades em regressar ao mercado de trabalho foram forçados a aceitar funções abaixo das suas qualificações e com salários também menores”, explica.

Um aspeto curioso nesta análise é o facto de os mestrados estarem a perder valor, em termos salariais, face às licenciaturas. Em 2010 ter um mestrado significava um incremento salarial na ordem dos 6% face à licenciatura, mas há cinco anos o cenário inverteu-se. Desde 2014 que os mestres estão a ganhar, em termos médios, menos (entre 1% a 2%) do que os licenciados.

Esta perda de valor poderá estar justificada, em parte, com a alteração dos currículos do ensino superior e a criação da figura de mestrados integrados, decorrente do Processo de Bolonha. Mas pode ter outra justificação. É que os dados do INE refletem a totalidade da população empregada. E os mestrados só começaram a generalizar-se entre a população mais jovem e nos últimos anos. Nas gerações anteriores, há mais tempo no mercado de trabalho, a formação dominante é a licenciatura.

Notícia do Expresso de 19-01-2019.

Sobre o Universitas

Universitas é o programa da Académica da Madeira que congrega a oferta de acções de acolhimento, de acompanhamento e de inserção na vida activa dos futuros, actuais e antigos estudantes universitários. Assente na transmissão de valores, na construção de oportunidades e na valorização da cidadania, desenvolvemos várias iniciativas que espelham a raiz latina do conceito de universalidade, de totalidade, de companhia e de associação do vocábulo universitas. Pretendemos informar os candidatos ao Ensino Superior, através de visitas educativas pelos espaços da Universidade da Madeira; acolher os novos estudantes, com a promoção de actividades de acesso à informação e ao funcionamento da Academia; acompanhar os estudantes e antigos estudantes promovendo projectos e programas nacionais e internacionais que constituam oportunidades de integração na vida activa.

Criado em 2017, o programa Universitas promove a acção de integração dos novos estudantes do Ensino Superior, pela via da ciência e da cultura, pretendendo dinamizar a procura activa de conhecimento e de competências capazes de garantir o sucesso no mercado de trabalho. Juntam-se ao nosso programa as visitas educativas que são realizadas pelos espaços da Universidade da Madeira, a centenas de estudantes dos Ensinos Básico e Secundários, e a promoção dos programas europeus que se configuram como oportunidades ímpares na construção de um futuro promissor para os jovens madeirenses.

Apoio ao Estudante, matriz identitária e fulcral da nossa estrutura associativa, é uma componente central do Universitas, exercida através de políticas locais e nacionais. As acções de proximidade, através de uma actuação junto dos estudantes com o apoio ao seu quotidiano académico, são complementadas com uma participação activa nas políticas do ensino superior e da juventude.

Vencedor, em 2018, do Prémio Boas Práticas Associativismo Jovem, na categoria Estudantil, atribuído pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude, o programa continua a apostar na oferta de acções e iniciativas de acolhimento, de acompanhamento e de preparação para a inserção na vida activa dos futuros, dos actuais e dos antigos estudantes universitários.