Saint John the Evangelist church
11 de Junho de 2018.
Municipal Theater: Baltazar Dias
14 de Junho de 2018.
Mostrar Tudo

Portugal e Espanha na defesa do mar

Reunião para coordenar o trabalho conjunto sobre o stock ibérico de sardinha e a defesa das espécies de profundidade.

Organizações ambientalistas portuguesas e espanholas juntaram-se para terem posições conjuntas perante a União Europeia relacionadas com o mar, como nas quotas de pesca sustentável, lixo marinho, extracção de petróleo ou gestão dos rios comuns.

A primeira reunião das 15 organizações não governamentais, oito das quais portuguesas, realizou-se em Lisboa, e visou a coordenação do trabalho conjunto sobre o stock ibérico da sardinha e a defesa das espécies de profundidade, acerca das quais têm já a decorrer uma campanha de sensibilização, como referiu esta segnda-feira Gonçalo Carvalho, da Sciaena.

Num encontro com jornalistas, a bordo de um veleiro da organização Ecologistas en Accíon, ancorado em Lisboa, foi explicado pelos ambientalistas que a campanha “dar a cara por peixes de profundidade” chama a atenção para a importância de seguir os pareceres científicos acerca das quantidades máximas sustentáveis para a pesca de espécies como peixe-espada preto, goraz ou abrótea.

“Sabe-se pouco acerca destas espécies de profundidade, que têm um crescimento mais lento e são mais sensíveis, e este ano vão ser definidas as quotas para os próximos dois anos”, numa reunião dos ministros europeus, em Novembro, apontou Gonçalo Carvalho.

O foco principal do trabalho é a contribuição para a Política Comum de Pescas (PCP), que inclui as quotas de pesca para espécies existentes nos dois países, como a sardinha, ou a obrigação de os países europeus passarem a trazer para terra as chamadas “rejeições”, peixe capturado, mas que não querem ou não podem vender, mas também a exploração de petróleo ou gás e a gestão dos rios.

A prospecção de petróleo no mar, que tem várias vozes contra em Portugal, no caso de Aljezur, e em Espanha, nas Canárias, leva os ambientalistas a realçar que “o futuro energético não pode passar pela exploração daquele combustível fóssil, mas sim pela aposta nas renováveis”.

Gonçalo Carvalho e Eneko Aierbe, da Ecologistas en Acción, avançaram que as organizações vão pedir uma reunião com o comissário europeu responsável pelo Ambiente e Pescas, Karmenu Vella, e com os ministros da área em cada um dos países.

Eneko Aierbe está optimista acerca da possibilidade de a situação melhorar em Espanha no que respeita à prospecção de petróleo, com o novo Governo, que tomou posse na semana passada. “A nova ministra desta área defendeu a aposta nas energias renováveis no passado. Vai ser positivo, mas não sabemos em que medida”, disse.

As ONG ibéricas já têm colaborado noutras ocasiões sobre conservação marinha, mas “os problemas do stock de sardinha tornaram claro que a sustentabilidade da pesca e dos ecossistemas marinhos depende da cooperação entre as organizações” dos dois países.

“Os governos actuam de forma coordenada e nós devemos fazer o mesmo, o recurso é comum aos dois países, teremos mais força se a mensagem for a mesma, se for conjunta”, salientaram os ambientalistas.

Na gestão dos rios comuns entre os dois países, a preocupação das ONG divide-se entre a gestão das quantidades de água, principalmente em alturas de seca, como aconteceu este ano até Fevereiro, e a poluição.

Entre as ONG portuguesas que participam estão, além da Sciaena – Associação de Ciências Marinhas e Cooperação, a Liga para a Protecção da Natureza (LPN), Quercus, Associação Natureza Portugal, WWF, o GEOTA e a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), muitas delas reunidas na PONG-Pesca, uma plataforma de organizações da área das pescas.

Notícia do Público de 11/06/2018.