77 palavras contra a discriminação
24 de Abril de 2018.
Move the horizon
26 de Abril de 2018.
Mostrar Tudo

NASA lançou novo caça-planetas

A missão chama-se TESS e conta com a participação de um grupo de cientistas portugueses.

O telescópio TESS, o novo “caçador” de planetas extrassolares da agência espacial dos Estados Unidos, NASA, foi lançado na passada noite de quarta-feira, em busca de novos planetas que possam suportar a existência de vida, adiantou a AP.

O lançamento do telescópio TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite, Satélite de Rastreio de Exoplanetas em Trânsito) foi feito a bordo do foguetão Falcon 9, da empresa aeroespacial privada SpaceX, da base de Cabo Canaveral, na Flórida, nos Estados Unidos.

O lançamento aconteceu dois dias do inicialmente previsto, depois de um adiamento da data inicial de segunda-feira, pelas 18h32 locais (23h32 em Lisboa).

Dois meses após a colocação na órbita terrestre, e depois de testados os instrumentos, o satélite artificial começará a sua missão, que tem uma duração inicial de dois anos.

Ao contrário do telescópio espacial Kepler, também da NASA, que “caçou” mais de 2600 exoplanetas numa determinada zona do céu, a maioria a orbitar estrelas pouco brilhantes, entre 300 e 3000 anos-luz da Terra, o TESS vai procurar novos planetas fora do Sistema Solar (exoplanetas) em todo o céu.

No primeiro ano da missão será observado o hemisfério Sul e no segundo ano o hemisfério Norte, com o telescópio a concentrar-se em planetas que orbitam estrelas próximas da Terra, a menos de 300 anos-luz, e 30 a 100 vezes mais brilhantes do que as estrelas-alvo do Kepler.

Na missão TESS participa o investigador Tiago Campante, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, que esteve envolvido no planeamento científico, nomeadamente na selecção de estrelas-alvo a observar.

Com o telescópio em funcionamento, e do qual são esperados os primeiros dados compilados no fim do ano ou em Janeiro, o astrofísico vai estudar em particular a vibração (oscilações no brilho) das estrelas a partir da decomposição da sua luz.

Estas oscilações permitem caracterizar detalhadamente as estrelas, como a sua massa, o diâmetro e a idade, conforme explicou anteriormente à Lusa o cientista, contemplado este ano com uma bolsa europeia Marie Curie no valor de 160 mil euros.

Notícia do Público de 19/04/2018.