Buracos negros na Via Láctea
5 de Abril de 2018.
King Manuel I, a King of Portugal
9 de Abril de 2018.
Mostrar Tudo

29% abandona o ensino superior

Mais de metade dos alunos que entram com média de 10 valores não acaba a licenciatura. Só 46% termina nos três anos previstos.

Há 15 mil estudantes em cada ano lectivo que, depois de entrarem no ensino superior, desistem de prosseguir os estudos. A taxa de abandono de uma licenciatura é de 29%, segundo um estudo da Direcção-Geral de Estatística da Educação e Ciência (DGEEC). Os dados oficiais mostram também que menos de metade dos alunos consegue acabar os estudos nos três anos de duração de um curso.

É a primeira vez que a DGEEC desenvolve um trabalho como este. O único indicador oficial até agora existente era publicado anualmente no portal Infocursos e media o número de alunos que um ano após a entrada no ensino superior tinha deixado os estudos. A sua actualização mais recente apontava para uma taxa de abandono do ensino superior de 8,7%. Segundo os dados agora publicados a taxa é três vezes mais alta.

“É um número considerável”, assume a reitora da Universidade de Évora, Ana Costa Freitas, “e que mostra que algo não está bem no sistema”. Há dois anos, aquela instituição de ensino superior fez um estudo semelhante junto dos seus alunos e tinha chegado a números que se aproximavam dos 20% de taxa de abandono. Esse trabalho apontava como factor determinante para que os alunos deixassem os estudos a dificuldade em adaptarem-se à exigência do ensino superior.

Os dados da DGEEC dão também ênfase ao impacto que o percurso escolar anterior do aluno tem no seu comportamento no ensino superior. Há uma proporcionalidade entre o valor de média de acesso e a taxa de abandono dos alunos: só 8% dos alunos que entram com uma média de 20 valores deixam o curso superior, ao passo que, entre os que entram com média de 10 valores, esse valor sobe para 54%.

No mesmo sentido, os alunos que entram nas duas primeiras opções do concurso nacional de acesso têm taxas de conclusão muito superiores (53% na 1.ª opção, 50% na 2.ª) do que quem entra na 5.ª e 6.ª opções: 42% e 38%, respectivamente.

“Os alunos com notas mais baixas entram em cursos que não são as suas primeiras opções”, contextualiza o investigador do Centro de Estudos Sociais (CES), José Manuel Mendes, que desenvolveu, com António Caetano e José Maria Carvalho Ferreira, o estudo Sucesso e Abandono no Ensino Superior em Portugal. “Um aluno que não entra numa das suas primeiras opções, vai estar menos motivado, mas também mais propenso a abandonar os estudos”, acrescenta. “Se aparecer uma oportunidade de emprego, mais facilmente vai aceitá-la.”

Modelo “falhado”
O estudo da DGEEC é, por isso, “uma radiografia de um modelo de ensino superior falhado”, considera o especialista do CES, que põe em causa o sistema de acesso ao ensino superior e os numerus clausus que definem quantos alunos entram em cada curso em cada ano. “Os estudantes entram em cursos que não querem e as instituições acabam com alunos que não desejam”, expõe.

Os índices de abandono escolar divergem em função do subsistema de ensino frequentado pelos estudantes. Enquanto nas universidades públicas, 26% dos alunos desistem do ensino superior sem acabar a licenciatura, nas universidades privadas esse valor sobe para 31%. A percentagem mais elevada encontra-se nos politécnicos privados, onde 38% dos alunos já não estavam no ensino superior quatro anos depois da sua entrada.

Portugal estabeleceu uma meta junto dos parceiros europeus: ter 40% da população entre os 30 e os 34 anos com formação superior até 2020. O Governo tem sublinhado a necessidade de atrair mais alunos para o ensino superior para cumprir esse objectivo. Mas isso “também se consegue garantindo que quem entra chega ao final do curso”, sublinha o presidente da Federação Académica do Porto (FAP), João Pedro Videira.

Para o dirigente académico, as instituições de ensino superior “não têm ferramentas para prevenir o abandono escolar” e “o único mecanismo que existia para o combater”, o programa Retomar, que atribuía uma bolsa de estudo aos alunos que, tendo abandonado os estudos, quisessem voltar a estudar, foi extinto pelo Governo sem que fosse encontrada uma alternativa.

Atrair população adulta
Videira defende ainda que, para aumentar o número de inscritos no ensino superior, é preciso atrair também a população adulta. E sublinha um dado do estudo da DGEEC: os estudantes que entram pelo contingente especial para maiores de 23 anos estão entre os que mais facilmente abandonam a licenciatura sem a terminar. A taxa de abandono para estes estudantes situa-se nos 50%. “O sistema de ensino não está montado para os desafios de formar quem já está no mercado de trabalho”, critica.

A taxa de abandono é também de 50% entre os alunos que entraram numa segunda licenciatura (titulares de cursos médios e superiores). Apenas entre os que foram transferidos de instituição, o número daqueles que deixam os estudos é maior: 63%. Já quanto aos estudantes que entram numa licenciatura através do concurso nacional de acesso, os indicadores de abandono escolar são inferiores: 21%.

O estudo Percursos no Ensino Superior – Situação após quatro anos dos alunos inscritos em licenciaturas de três anos, publicado no final da semana passada pela DGEEC, analisa o percurso dos alunos que entraram pela primeira vez no ensino superior no ano lectivo 2011/12. São 51.898 estudantes. O seu trajecto individual é acompanhado ao longo dos quatro anos seguintes, ou seja, até 2014/15.

Os números oficiais mostram que menos de metade (46%) dos alunos termina uma licenciatura nos três anos que esta teoricamente dura. Um valor que José Manuel Mendes, do CES, considera “baixo”, sobretudo “se tivermos em conta o investimento que é feito em Portugal no ensino superior e a alta selectividade do sistema”.

Outros 14% de estudantes continuaram inscritos no curso em que entraram sem o terem ainda conseguido terminar. Os dados da DGEEC mostram ainda que, além dos 29% de estudantes que abandonaram os estudos, há 11% que se mantiveram inscritos no ensino superior, mas optaram por mudar de curso.

A diferença na percentagem de alunos que consegue terminar o curso no tempo previsto não é muito divergente em função do subsistema de ensino que é frequentado. Ainda assim, é nas universidades públicas que mais alunos completam uma licenciatura em três anos (47%). O valor mais baixo neste indicador encontra-se nos politécnicos públicos, onde 44% acaba o curso no tempo previsto.

Notícia do Público de 04/04/2018.